Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Como estrelas na Terra

Como estrelas na Terra

20
Dez18

200 anos de Noite Feliz... vocês sabiam ?


Maria Oliveira

      Se tem uma canção que não pode faltar na época do Natal, é a clássica Noite Feliz. Faz 200 anos que Stille Nacht – como é chamada no original em alemão – foi ouvida pela primeira vez, na Igreja de São Nicolau, em Oberndorf, na Áustria, na missa da noite do Natal de 1818. Traduzida para centenas de línguas, Noite Feliz foi declarada em 2011 pela UNESCO um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.
Quem esteve lá naquela noite ouviu a canção sendo executada a voz e violão pelos seus dois compositores: o da letra, o padre Joseph Mohr (1792-1848) – era um poema que ele havia escrito dois anos antes –, e o da música, o professor e organista Franz Xaver Gruber (1797-1863). Gruber havia escrito a partitura no mesmo dia, em poucas horas, após receber uma visita do padre pela manhã.
    Mohr tinha apenas 23 anos de idade e um como padre quando escreveu o poema que deu origem à canção. A Europa acabava de passar por um momento atribulado – as Guerras Napoleônicas assolaram o continente entre 1803 e 1815. Não é de se estranhar, portanto, que o tema da paz atravesse o texto. A letra original fala de Jesus que “como um irmão abraça carinhosamente os povos do mundo”.
A casa em que Gruber viveu por 28 anos, em Hallein, é hoje o Stille Nacht Museum – o “Museu Noite Feliz”. A Igreja de São Nicolau não existe mais: a região sofria com constantes alagamentos e o templo acabou por ser demolido em 1913. Porém, em seu lugar foi construída entre 1924 e 1936 a Stille-Nacht-Gedächtniskapelle, ou “Capela Memorial Noite Feliz”.

     A versão em inglês da canção surgiu em 1859, traduzida pelo padre episcopaliano John Freeman Young em Nova York. Já a versão em língua portuguesa é de 1912 e se deve ao frade franciscano Pedro Sinzig. Nascido na Alemanha, ele veio para o Brasil em 1898, aos 22 anos.

A Philharmonia Orchestra, no Reino Unido, interpreta o clássico de Natal

 Fonte : Aleteia 

2 comentários

Comentar post