Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Como estrelas na Terra

Como estrelas na Terra

17
Jan20

As mãos que educam


Maria Oliveira

   Um jovem de nível acadêmico excelente, candidatou-se à posição de gerente de uma grande empresa.Passou a primeira entrevista e o diretor fez a última, tomando a última decisão. O diretor descobriu, através do currículo, que as suas realizações acadêmicas eram excelentes em todo o percurso, desde o secundário até à pesquisa da pós-graduação e não havia um ano em que não tivesse pontuado com nota máxima.

 O diretor perguntou: _ "Tiveste alguma bolsa na escola?"   

_  Nenhuma, disse o jovem

- "Foi seu pai quem pagou as suas mensalidades ?" pergunta o diretor
O jovem respondeu _  "O meu pai faleceu quando eu tinha apenas um ano, foi a minha mãe quem pagou as minhas mensalidades."
O diretor perguntou -  Onde trabalha a sua mãe?
- A minha mãe lava roupa  - disse o jovem; 
 
O diretor pediu que o jovem lhe mostrasse as suas mãos. O jovem mostrou um par de mãos macias e perfeitas.
 
O diretor perguntou: _ Alguma vez ajudou sua mãe lavar as roupas? 
o jovem respondeu: _  Nunca, a minha mãe sempre quis que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, a minha mãe lava a roupa mais depressa do que eu.
 
O diretor disse: _ Eu tenho um pedido. Hoje, quando voltar, vá e limpe as mãos da sua mãe, em seguida, volte aqui manhã.
 
       O jovem sentiu que a hipótese de obter o emprego era alta. Quando chegou em casa, pediu, feliz, à mãe que o deixasse limpar as suas mãos. A mãe achou estranho, estava feliz, mas com um misto de sentimentos e mostrou as suas mãos ao filho.O jovem limpou lentamente as mãos da mãe. Uma lágrima escorreu-lhe enquanto o fazia. Era a primeira vez que reparava que as mãos da mãe estavam muito enrugadas e havia demasiadas contusões nas suas mãos. Algumas eram tão dolorosas que a mãe se queixava quando limpava com água.
       Esta era a primeira vez que o jovem percebia que este par de mãos que lavavam roupa todo o dia tinham-lhe pago as mensalidades. As contusões nas mãos da mãe eram o preço a pagar pela sua graduação, excelência acadêmica e o seu futuro.
Após acabar de limpar as mãos da mãe, o jovem silenciosamente lavou as restantes roupas pela sua mãe.Nessa noite, mãe e filho falaram por um longo tempo.Na manhã seguinte, o jovem foi ao gabinete do diretor.
 O diretor percebeu as lágrimas nos olhos do jovem e perguntou:
_ Então, o que você fez e o que aprendeu ontem em sua casa?
O jovem respondeu: _  "Eu limpei as mãos da minha mãe e ainda acabei de lavar as roupas que sobraram.
 O diretor pediu: _  Por favor, diga- me o que sentiu?
 O jovem disse: _ Primeiro, agora sei o que é dar valor. Sem a minha mãe, não haveria um eu com sucesso hoje. Segundo, ao trabalhar e ajudar a minha mãe, só agora percebi a dificuldade e dureza que é ter algo pronto. Em terceiro, agora aprecio a importância e valor de uma relação familiar.
 
O diretor disse: _Isto é o que eu procuro para um gerente. Eu quero recrutar alguém que saiba apreciar a ajuda dos outros, uma pessoa que conheça o sofrimento dos outros para terem as coisas feitas e uma pessoa que não coloque o dinheiro como o seu único objetivo na vida, nem sempre o dinheiro deve está em primeiro lugar, e certamente não é a única coisa no mundo. Está contratado.
 
Mais tarde, este jovem trabalhou arduamente e recebeu o respeito dos seus subordinados. Todos os empregados trabalhavam diligentemente e como equipa. O desempenho da empresa melhorou tremendamente. 
 
Quais são as pessoas que ficaram com mãos enrugadas por mim?
 
Fonte: A Loja de Chá de Aracaju
21
Mai18

"Bora" Motivar a criançada


Maria Oliveira

    Já sou mãe há 15 anos e uma das coisas que me "pesa" é sentir que poderia ter ajudado mais as minhas filhas na infância para que hoje se sentissem mais confiantes e seguras de si; Dei conta disso  e tenho me esforçado para que se tornem umas jovens e adultas firmes na sua caminhada; estou a tentar recuperar o tempo .... ; Preocupa-me o facto de elas se entusiasmarem de inicio com alguma atividade extra escolar como  a música e a dança e depois desistirem; Porque não se motivam como os outros colegas em desenvolver outras capacidades?

Serei eu que estou a falhar em alguma coisa? 

Gosto muito de ler os artigos de Javier Fiz Pérez (Psicólogo, professor de Psicologia na Universidade Europeia de Roma, delegado para o Desenvolvimento Científico Internacional e responsável pela Área de Desenvolvimento Científico do Instituto Europeu de Psicologia Positiva )   e já me tem ajudado a compreender comportamentos e emoções e a saber gerir situações que vão surgindo; Por isso hoje partilho mais um artigo deste autor, sobre como motivar os nossos filhos; Segundo ele, a  motivação é fundamental para realizar qualquer atividade com interesse e entusiasmo e para os pais, essa é uma verdade importante quando se trata de educar os nossos  filhos – motivá-los é fundamental para o processo de aprendizado.Se as crianças se sentirem motivadas, estarão mais dispostas a aprender, a se envolver e a se esforçar para alcançar uma meta específica.

É muito importante trabalhar com a motivação dos filhos, começando em casa, para que eles consigam atingir os objetivos que estabeleceram para si mesmos, agora e no futuro, desde as tarefas diárias mais simples até desafios muito maiores.

E como motivá-los então ?

1 - Estimule a imaginação
Como pai ou mãe, você é responsável por ajudar seus filhos a crescerem com a sensação de que, com esforço, entusiasmo e interesse, eles podem obter o que desejam. Uma boa maneira de começar a motivá-los é contar histórias, começando na primeira infância. Esta é uma ferramenta muito útil para motivá-los e fazê-los se sentir entusiasmados em fazer as coisas. As histórias podem ter uma forte influência no comportamento das crianças, se você as usar para apresentar modelos positivos de como viver

 

2 - Ensine-os a se identificar com você
Conte-lhes sobre as experiências que você teve quando era jovem, porque não há nada melhor do que experiências pessoais para fazer seus filhos ouvirem e se identificarem com você.
Você vai ganhar a empatia deles e ajudá-los a entender que você foi uma criança também, e que você sabe como é. É muito importante ter uma atitude positiva, feliz e entusiástica; seus filhos devem ver e sentir que a vida deve ser desfrutada e vivida de maneira feliz.
Uma boa atitude em relação à vida pode tornar muitos sonhos realidade. Esta é a melhor base para uma motivação saudáve
 
3. Valorize o esforço deles
 Preste atenção ao que eles fazem para que você possa demonstrar que aprecia seus esforços, mesmo que eles não obtenham os resultados desejados. Você precisa reconhecer e reforçar o comportamento positivo da criança, para que ela continue lutando até atingir seu objetivo.
Se eles perceberem que você os apoia, os ama e os parabeniza, eles se sentirão fortes e motivados para continuar em frente e melhorar. É muito importante que você explique claramente as razões para fazer as coisas. 
Lembre-se de que seus filhos são pessoas e que o processo de aprendizagem deles depende, em parte, de seu esforço. Quanto melhor você explicar as razões para fazer as coisas, melhor eles entenderão, e mais intensamente eles se sentirão motivados a fazê-las.
 
4 - Dê a eles tarefas realizáveis
Ao lidar com tarefas complicadas, é uma boa ideia definir objetivos de curto prazo que sejam simples e viáveis ​​para que seus filhos não fiquem entediados no meio do processo.
Para que seus filhos se sintam motivados, é importante que eles entendam que um erro não é um fracasso, mas sim uma oportunidade de melhorar e combater a adversidade.
Eles precisam entender que a vida é um processo contínuo de aprendizado e que não há necessidade de temer cometer erros. O importante é nunca deixar de fazer um esforço para atingir seus objetivos. Este princípio é essencial se quisermos plantar sementes de autoconfiança em nossos filhos.
 
5 - Envolva-os adequadamente na tomada de decisão
Se os filhos se sentem ativos em uma tomada de decisão, percebendo que sua opinião é importante, eles vão gostar de se envolver. Se você quer que seu filho se envolva em algo de que ele não gosta, você precisa ajudá-lo a entender o porquê e explicar-lhe as razões, dando-lhe tempo suficiente para assimilá-las.
 
A melhor maneira de ensinar nossos filhos a viver é dando-lhes um bom exemplo. As crianças assistem a seus pais de perto. O que dizemos a elas conta muito, mas o que transmitimos a elas através do nosso comportamento significa dez vezes mais
 
Javier Fiz Pérez
19
Mar18

Disciplinar os filhos - com a C+A+R+I+D+A+D+E


Maria Oliveira

       Quantas vezes , nós pais, agimos erradamente quando queremos impor disciplina aos nossos filhos ? Se o tempo voltasse atrás, quantas coisas eu corrigiria, mas não volta ... e os pais de primeira viagem , então,  devem compreender o que quero dizer ; num segundo e terceiro filho, penso que já somos mais ponderados e pacientes ... Normalmente os primeiros levam com a nossa inexperiência, impaciência, frustração , medo, ansiedade,  .... ; A maioria de nós educa como pode, como sabe, como melhor entende ; Não há que julgar ninguém por isso; Acredito que damos o melhor de nós nessa questão; 

    Um dos desafios constantes que se nos apresentam é sobre que atitude devemos tomar na hora de disciplinar ; Li há dias um pequeno artigo sobre as cartas de  D. João Bosco, grande patrono da juventude  em que  ele estabelece um “sistema preventivo” que dispõe “os alunos/filhos  a obedecerem não por medo, mas por convicção. Onde refere que  a força deve ser excluída , e substituida pela caridade na hora de agir;     E porquê a caridade ?  Porque a CARIDADE, vem de Deus, Porque a sua prática é um notável indicador de elevação moral e porque é a que melhor revela a essência do ser humano , pois se equivale ao amor, à bondade, à indulgência, ao perdão,  à compaixão, à empatia,  ao te colocares no lugar do outro;   Daí ser uma carateristica preciosa, na hora de disciplinar; 

Ficam aqui  alguns  dos seus conselhos :

1) A punição deve ser o último recurso 

Devemos tentar sempre usar da paciência, colocar no lugar do filho, para compreender a birra ; não partir de imediato para a ameaça; tentar aproveitar cada situação para compreender as causas do comportamento  e educar de acordo com as causas; claro que isto em teoria é muito bonito; As vidas agitadas que temos , leva -nos a que muitas vezes partamos logo para a discussão, para a palmada, para a ameaça--- ; Mas se for possivel, dar um clique na mente antes desses nossos comportamentos , quem sabe, também aprendamos algo; 

2) O educador tem que se esforçar para ser amado pelos filhos/ alunos caso deseje obter o seu respeito

É nas palavras e nas nossas ações que revelamos o nosso amor ; só recebemos o que damos; Também por isso deveremos respeitar , sempre que possivel, a personalidade dos filhos, compreender as causas dos comportamentos, escutá- los, parar um pouco, olhar nos olhos.... ; 

3) Correções e punições não devem ser dadas em público ( há exceções , claro, se forem situações graves)

 Supermercados, centros comerciais, festas, eventos públicos... quantas vezes já aguentamos birras tremendas nestas situações e fomos forçados a ter uma atitude  ?  Receamos o julgamento dos outros mas levam -nos ao limite e agimos no momento e em frente a todos ;   Que vergonha, que embaraço para os pais e  uma humilhação para os filhos ; Quando por vezes , as crianças agem por maldade contra outras , como agir? Dar um reprimenda em frente aos colegas ? Bem, não há manual que nos salve, as opiniões divergem,( há quem considere, que se deve agir na hora e momento) mas , continuo a pensar que ,  e colocando- nos do lugar deles, a punição/reprimenda terá melhor efeito se não for em público; 

4) Evitar castigos físicos e violência 

Não sou apologista das palmadas ; Mas sei que muitas vezes, tem os resultados esperados, a nivel comportamental e no momento ; Mas quais serão as consequências , a curto, médio ou longo prazo?  O que irão aprender com a dor física ? Numa próxima vez, retraem-se e não fazem a asneira , mas não haverá outra forma ? Não terá a violência, repercussões negativas no seu desenvolvimento ? Não lhe estaremos a mostrar que  nos descontrolamos , que somos inseguros ? Mas reconheço que mantermos uma imagem de serenidade e segurança, é deveras dificil !

5) As regras de disciplina, bem como as suas respectivas recompensas e punições, devem ficar bem claras para a criança , de modo que  não possa alegar que desconhecia

Todos nós passamos a nossa infância a ouvir: Não faças isto ou aquilo.... ; Olha que se te portas mal, vem o polícia, vem o lobo mau, vem a bruxa, vem não sei quem.... ; Educamos agora também, da forma como nós também fomos, não é verdade ? Alertamos para os perigos disto ou daquilo, pe.,não ponhas os dedos nas tomadas da luz,  mas esquecemos de lhes explicar o que é que isso provoca, as consequências das ações , para que entendam claramente o perigo; "Porta te bem na festa, que a mãe dá- te uma prenda ...; Mas porque motivo, tem que se portar bem, seja onde for ? é isso que tem de ficar bem claro; 

6) Ser exigente nas questões de dever, firme na busca do bem, corajoso na prevenção do mal, mas sempre gentil e prudente 

 A paciência não consiste em tolerar a indisciplina, mas em educar na disciplina com respeito, apesar da tentação de explodir e partir para os gritos, castigos e até para punições físicas. As crianças aprendem mais depressa com o que vêem e assistem do que o que ouvem; A firmeza, a coragem, a gentileza, a confiança dos pais, quando aplicados na disciplina e educação dos filhos , só irá trazer benefícios ; 

7) Não permitir que a sombra da raiva e frustração  escureça o nosso semblante 

    Sempre que possível, devemos deixar transparecer serenidade nas  nossas mentes e no nosso rosto,  não demonstrando o nosso nervosismo , impaciência e fúria ; Há filhos que descobrindo a forma de descontrolar os pais, fazem- no constantemente , por uma questão de atenção talvez, outras pela sensação de vingança contra os pais, sensação essa que terá tendência a crescer, se não for detetada e corrigida; O nosso rosto e muitas vezes o silêncio enfurecido, vale por mil palavras negativas, não é verdade? 

      A paternidade /maternidade é uma benção, uma missão,uma responsabilidade ,uma longa e pesada caminhada..... e quantas vezes nos sentimos meio perdidos nesse caminho; mas que tal usar usar um pouco mais da C+A+R+I+D+A+D+E = Compreensão+Amor+Respeito+Inteligência+Determinação+Alegria+Disponibilidade+ Empatia , com os nossos filhos ? 

Um feliz dia para os Papás do Mundo Inteiro;