Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Como estrelas na Terra

Como estrelas na Terra

05
Dez19

Qual a finalidade da Vida ? (Breve Reflexão de José Pereira Coutinho)´


Maria Oliveira

Partilho este texto , (que já tens uns aninhos) , que sempre me vem à memória quando penso no futuro que estamos a criar para as próximas gerações e também quando penso qual a finalidade da minha caminhada no mundo.... ; 

O Fim último da Vida não é a Excelência mas sim a Felicidade

      "Não tenho filhos e tremo só de pensar. Os exemplos que vejo à volta não aconselham temeridades. Hordas de amigos constituem as respectivas proles e apesar da benesse, não levam vidas descansadas.   Pelo contrário: estão invariavelmente mergulhados numa angústia e ansiedade de contornos particularmente patológicos. Percebo porquê. Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar. Hoje, não. A criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três anos, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis e um exército de professores, explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição.

     Eis a ideologia criminosa que se instalou nas sociedades modernas: a vida não é para ser vivida - mas construída com sucessos pessoais e profissionais uns atrás dos outros em progressão geométrica para o infinito. É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho ou a esposa de sonho, os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho.

    Não admira que até 2020 um terço da população mundial esteja a mamar forte no Prozac. É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais temos mais queremos. Quanto mais queremos mais desesperamos. A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade. O que não deixa de ser uma lástima.Se as pessoas voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim último da vida não é a excelência mas sim a Felicidade."

By José Pereira Coutinho, Nov 2008

03
Nov19

A morte não é nada


Maria Oliveira

 A  morte não é nada.
Apenas passei para o outro lado do Caminho.
Eu sou eu. Tu és tu.
O que fomos um para o outro ainda o somos.

Dá-me o nome que sempre me deste.
Fala-me como sempre me falaste.
Não mudes o tom a um triste ou solene.
Continua rindo com aquilo que nos fazia rir juntos.
Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo.

Que o meu nome se pronuncie em casa,
como sempre se pronunciou.
Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra.
A vida continua significando o que significou:
continua sendo o que era.
O cordão de união não se quebrou.

Porque estaria eu fora dos teus pensamentos,
apenas porque estou fora de tua vista?
Não estou longe,
Somente estou do outro lado do caminho.
Já verás, tudo está bem.

Redescobrirás o meu coração,
e nele redescobrirás a ternura mais pura.
Seca as tuas lágrimas e, se me amas,
não chores mais.

[Henry Scott-Holland, in "Death the King of Terrors" (adaptação)]

03
Jun18

A página branca e o ponto preto


Maria Oliveira

 Bom dia ! Hoje partilho uma reflexão linda com vocês ; Votos de uma boa semana!

     Certo professor entrou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova relâmpago. Todos ficaram assustados. O professor, como de costume, entregou a prova virada para baixo. Quando puderam ver, para surpresa de todos, não havia uma só pergunta, havia apenas um ponto preto no meio da folha.

O professor, analisando a expressão surpresa de todos, disse: - Agora vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo. Os alunos confusos começaram a difícil tarefa. Terminado o tempo, o professor recolheu as folhas... colocou-se em frente à turma e começou a ler as redações em voz alta. Todas, sem exceção, definiram o ponto preto... tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.

 

    Após ler todas, a sala em silêncio, ele disse:  - Esse teste não será para nota, apenas serve de lição... ninguém falou sobre a folha em branco. Todos centralizaram suas atenções no ponto preto. Assim acontece em nossas vidas, temos uma folha em branco inteira para observar, aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros.

 

     A vida é um presente de DEUS, dado a cada um de nós com extremo carinho e cuidado. O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com as pessoas, todos nós passamos por isso. No entanto Deus jamais nos desampara, sempre nos consola e fortifica. Se observarmos bem, o milagre da vida, o emprego que nos sustenta, um bom amigo que nos aconselha coisas boas... temos motivos de sobra para comemorar.

No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto preto. Os pontos pretos são mínimos, comparando com tudo aquilo que recebemos diariamente. Mas, são eles que povoam nossa mente... pense nisso: Tire os olhos dos pontos pretos da sua vida, aproveite cada bênção, cada momento que Deus lhe dá.

 

Fonte: Blog Almas Castelos

22
Mai18

Vive Hoje.....


Maria Oliveira

Se olhares a Lua verás a beleza de Deus .....

Se olhares Sol verás o poder de Deus ...
Se olhares no espelho,  verás a Melhor Criação de Deus.

Então, ACREDITA NELE.
Somos todos turistas, Deus é o nosso Agente de Viagens que já fixou as nossas rotas, reservas e destinos ... ConfiA Nele e disfruta da "Viagem" chamada VIDA , Vive sempre o Hoje e o Agora.... . e Boa semana 

post3.jpg

 (http://www.e-konomista.pt/artigo/viagens-de-uma-vida)

 Charlie Chaplin

13
Abr18

Tu que corres ....


Maria Oliveira

Os dias não são todos iguais;  

Pois então, 

Tu que corres, não te agites

tu que vives , não te angusties, 

Tu que duvidas, não vaciles.

Se corres não te precipites

se vives não te desorientes,

se estás angustiado, não te deprimas. 

É preciso correr, viver, angustiar- se

porque a vida é tudo isso

mas é preciso moderação nas coisas. 

Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida

Se vais por esse Caminho, não te extraviarás

Se aceitas e vives essa Verdade, não cairás em erro

se penetras nessa Vida , afastar te ás da morte. 

 

 

(retirado do original de Alfonso Milagro)